Translate

domingo, 20 de agosto de 2017

Revisitando as Poesias sobre minha Depressão - Uma Razão para Viver


A poesia que vamos revisar hoje fala mais uma vez nas metáforas que eu usei tantas vezes sobre a infância, sobre amadurecer, mas o que eu acho mais interessante nela é que ela se chama "Uma Razão para Viver" e era exatamente o que eu não tinha nessa época.

Poesia do dia 15 de agosto de 2008 (sexta-feira)

Uma Razão para Viver

Nem um raio de sol, só a chuva caindo...

Nada de encontrar a superfície, só submergindo...
Nenhuma saída, apenas escuridão...
Nada mais de concreto, tudo uma ilusão...

A linha tênue do sonho perdido
Limita a visão do ser que chora.
Não há mais ninguém envolvido
Onde a solidão é quem mora.

Vidas por mais que passadas,
Intenções mais que esquecidas,
Palavras não mais repetidas,
Esquecidas e muito cansadas...

Não é problema perder,
Se a perda é lição aprendida.
Ninguém consegue saber
A palavra que quer ser ouvida.

Qualquer intenção é válida
Se a intenção consegue salvar...
Se, no coração a pureza cálida,
Permanecer sem se quebrar.

A lua arrasta um novo dia,
Um dia relutante em nascer.
E os olhos encontram a melodia
De uma nova razão para viver.

A tristeza é inquebrável redoma,
Atada às correntes do juízo
Que a própria cura é sintoma,
Vagar à procura de um sorriso.

Dor da profunda saudade
Quebra o trato com o sofrimento
Para que retorne a felicidade
E acabe esse mar de tormento.


Dá pra perceber que todas essas poesias sempre tem a Escuridão nelas, ela sempre aparece e normalmente é bem na primeira estrofe. Ela controla tudo e, nessa época, ela controlava também a minha escrita, minha inspiração.

"Não há mais ninguém envolvido
Onde a solidão é quem mora."


A Depressão sempre te faz se sentir só e, quanto mais sozinho você fica, mais sozinho quer ficar e acaba afastando a todos!

Ninguém consegue saber
A palavra que quer ser ouvida.


Infelizmente, não existe uma coisa certa a ser dito pra quem está assim, não existe uma cartilha para ajudar aquela pessoa, ela principalmente precisa querer ser ajudada, mas acho que o mais importante é que não se desista dela, mesmo que ela esteja afastando a todos.

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

sábado, 19 de agosto de 2017

Conheça a sua Força!



Com a Depressão não dá pra prever como serão nossos dias...
Às vezes, você acorda e consegue não sentir aquele peso horrível no peito, consegue se levantar quando o despertador toca, se trocar, tomar seu café e sair. Ela até te deixa ser produtivo e fazer tudo aquilo que você tinha planejado, você consegue chegar ao final do dia orgulhoso de si mesmo, sentindo que fez aquele dia valer à pena!

Às vezes, você já acorda cansado, com o coração apertado, desmotivado, desejando que o mundo seja destruído por um meteoro. Se você consegue sair da cama, o dia é longo, exaustivo, sua mente nunca está focada verdadeiramente em nada. Sua lista de coisas pra fazer parece interminável e, no final do dia, você só quer se trancar no seu quarto e fingir que não aconteceu.

Mas também tem dias que parecem que vão ser bons e no final a doença também acaba vencendo... Nesses dias, tudo está normal e você está tendo um dia bom, você consegue se divertir e aproveitar. De repente, todo o seu ânimo te abandona e você simplesmente não sabe o que aconteceu, mas nada parece bom e você não quer mais fazer nada.

Isso é completamente normal! Quando alguma coisa abala seu emocional de alguma forma, a Depressão se aproveita disso e eu não vou falar em termos técnicos de como ela faz isso biologicamente, como eu já disse, eu não sou especialista, tudo o que eu estou dividindo são situações que eu já encarei, já aconteceram comigo nessa árdua convivência com ela.

Dias bons e ruins sempre acontecem, não importa nossa condição, todos nós sempre temos de passar por alguma situação que nos deixa arrasados, que nos dá muita vontade de desistir mesmo. Com a Depressão, coisas normais podem nos deixar assim todos os dias. O importante é saber que você é capaz de passar por tudo isso! Você pode e precisa se dizer isso muitas vezes, mas uma hora você começa ou recomeça a acreditar na sua própria força!

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Revisitando as Poesias sobre minha Depressão - Futuro


Quando eu coloquei essa poesia que vamos revisitar agora no Poetry Time era a mudança de 2014 para 2015 e eu não sabia direito se ela tratava de um sentimento que tinha ido embora ou se ainda estava ali. Eu queria poder pegar em minha mão e me dizer que é um sentimento que ainda está aqui, mas tudo bem! Você vai ficar bem!

Poesia do dia 1º de janeiro de 2009 (quinta-feira)

Futuro

Por quanto tempo ainda vai durar

Toda essa minha solidão?
Essa noite infinda sem luar,
Na estrada escura da ilusão?

Que dor é essa que fere e não existe?
Que traz a espada transpassada pelo peito?
Que condena o coração a ser tão triste?
Que faz qualquer problema não ter jeito?

Essa angústia dilacera sem motivo,
Encarcera a razão inconstante.
Traz no impossível um atrativo
De uma ansiedade tão sem precedente.

Eu busco dolorosamente essas respostas,
Como eu queria esse segredo desvendar...
Pra não errar nesse jogo de apostas
Que é o Futuro a me espreitar...

Eu não sabia o que estava acontecendo comigo, como eu falo tantas vezes nessas minhas novas análises, pode até parecer repetitivo, mas é um fato. Quando a Depressão me pegou eu não tinha ideia do que estava acontecendo. Eu acreditava que a Depressão era tantas coisas que não conseguia enxergar o que estava bem na minha frente.

O que é essa dor que fere e não existe? Que traz a espada transpassada pelo peito? Que condena o coração a ser tão triste? Que faz qualquer problema não ter jeito? A Depressão!

Uma resposta tão simples e tão dolorosa quanto as perguntas, tão difícil e tão elucidativa! Às vezes, eu me pergunto se eu teria entendido e aceitado mais fácil se tivesse tido alguma ajuda. Muito provavelmente, mas o caminho é tortuoso e diferente para cada um.

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Solidão



Imagine que você está sozinho dentro de uma casa. Não é a sua casa. Você não sabe onde estão as outras pessoas e não sabe se já esteve naquele lugar antes, tudo parece desconhecido e sombrio.

Não sombrio "filme de terror", sombrio de frio, de doloroso, de triste...

Você começa a andar por essa casa e tenta descobrir alguma coisa, mas está cada vez mais escuro, parece que o sol está se pondo e não tem energia elétrica nesse lugar, quando estiver noite, será praticamente impossível enxergar alguma coisa.

O lugar também é muito frio e todas as portas estão trancadas, só o que você escuta são os seus próprios passos. Você tenta chamar alguém para te ajudar, mas sua voz sai fraca, nem mesmo você é capaz de se escutar.

Aquele lugar te causa angústia, arrepios, vontade de chorar e a cada novo corredor, tudo parece novo e desconhecido e hostil. Aquela solidão começa a te sufocar, você quer gritar e não tem voz, você quer correr e não tem forças, você quer respirar e lhe falta o ar.

Para piorar, esse lugar, que você não sabe, fica na beirada de um abismo e, dependendo de onde você está pisando, pende mais pra queda ou mais pra terra...

Essa casa é você! Você não é capaz de se reconhecer, você não consegue pedir ajuda, você se sente sozinho e machucado. A Doença te trancou ali dentro e a cada dia você pode cair.

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Revisitando as Poesias sobre minha Depressão - Daybreak



Essa poesia é uma importante, porque no texto já postado aqui no blog eu até falo sobre estar com um problema na época. Eu achava muito que o que me incomodava tanto era que eu não queria crescer (o que não é de todo mentira, crescer é uma coisa muito chata, mas é inevitável), eu não conseguia entender que o que tornava tudo mais difícil era a doença. Eu ainda não tinha aceitado a Depressão e ainda não tinha entendido o que acontecia comigo.

Poesia do dia 31 de março de 2009 (domingo)

Daybreak

Eu já não sou mais o que eu era...

Não existe algo pelo que voltar...
Sou pouco mais que uma quimera,
Um corpo oco por aí a andar...

Eu continuo só porque é preciso,
Não faço nada além de convencer
Que é de verdade meu falso sorriso,
Que eu faço certo ao esperar você...

Estou apostando alto nesse sonho,
Porque já não tenho como suportar
Que ao meu redor é tudo enfadonho,
Bobo e cruel ao me encarar...

Pra que os meios, eu só quero os fins...
Quero que tudo já tenha passado.
Pular todas as fases ruins
E receber só o bom resultado.

É angustiante ainda estar parada.
Por que é tão difícil voltar a viver?
Eu preciso ser logo resgatada,
Já está na hora da vida acontecer...

Eu não me importo de tudo desistir,
Pois não é aqui que eu devia estar.
Se você me ouvisse como eu posso lhe ouvir
Você já saberia onde me encontrar...

Já bastam minhas asas perdidas,
Não quero ter os sonhos quebrados...
Não venham com palavras intrometidas
Que enegrecem meus dias ensolarados.

Eu sinto, pouco a pouco, o dia tendo fim.
A luz da lua está prevalecendo.
O importante agora pra mim
É sonhar com outro amanhecendo...

Eu me refiro a mim mesma como "um corpo oco por aí a andar" e eu não acho que estava tão longe disso, porque eu me sentia vazia e fria por dentro, mais perto da morte do que de ser uma jovem de vinte anos, na faculdade, com todo o futuro pela frente. Eu encarava tudo como se já tivesse de acabar, "eu continuo só porque é preciso"...

Tudo o que eu fazia era sonhar que um dia tudo ia melhorar...

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Depressão não é Movimento Literário


Eu falei no meu texto de ontem sobre a Depressão não ser sobre músicas e poemas tristes e me lembrei desse texto que eu coloquei no meu Instagram há algum tempo. Não é meu, mas é uma coisa muito importante, então eu vou traduzi-lo aqui.

"Podemos parar de agir como se Depressão fosse sobre poemas tristes e músicas românticas? Depressão é estar cansado sem ter feito nada, é não conseguir comer mesmo sem ter comido nada o dia todo, é se sentir culpado por coisas que não são sua culpa, é afastar todos porque você não consegue fazer outra coisa, é nebuloso e estranho e sombrio. Não é 'triste' num bom sentido, não é sobre estar triste o tempo todo. São altos e baixos e é uma tremenda bagunça".

Depressão é se sentir sozinho e abandonado o tempo todo pelas pessoas em quem você confia, é achar que você não merece que ninguém se importe com você, é escutar mais as coisas horríveis que sua mente lhe diz do que qualquer tentativa de ajuda de alguém!

Depressão não é bonito! E não se vence sozinho!

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Revisitando as Poesias sobre minha Depressão - Fusco


Voltando  nas minhas poesias divididas no Poetry Time aqui do blog, eu encontrei essa daqui, que é uma das minhas poesias que eu mais gosto e que também fala um pouco sobre a Depressão.

Poesia do dia 21 de setembro de 2009 (segunda-feira)

Fusco



Noite profunda, sem nenhum luar,

Onde está a luz nessa Escuridão?
Mesmo cansada, não posso parar...
É difícil ver outra opção...

Eu me afundo nessa dor louca,
Talvez, eu apenas goste de chorar...
A fuga, mesmo que seja pouca,
Tenta aos poucos me aconchegar...

Adeus, asas perdidas!
Eu as encontro ao amanhecer...
Conviver com minhas feridas
É só o que posso fazer...

Eu quero dessa vida me esquecer,
Quero tocar, tão longe, aquela luz...
Quero docemente adormecer
Na liberdade que tanto me seduz...

Eu sempre gostei muito de Fusco e sempre que alguém me pedia pra ler uma poesia minha, era ela que eu costumava mostrar.

Quando eu a escrevi, eu estava no auge da minha Depressão, estava quase no final do primeiro ano da faculdade, já tinha completado um ano desde que criara minha conta no Nyah! Fanfiction e tentava a todo custo sobreviver aquele sentimento terrível que eu não entendia ainda porque me derrubava tanto.

Eu tinha comentado que não lembrava se tinha chamado em algum texto essas poesias de "poesias cinzentas", nesse texto, que é o Poetry Time 71, eu usei esse termo e eu disse que gostava mais dessas poesias do que das românticas. Interessante, não?

Quando eu escrevi Cause I'm a Writer, em 2015, eu já estava bem melhor do que quando escrevi minhas poesias e já era capaz de ver o quão verdadeiros eram os sentimentos nelas, o quanto de mim tinha nelas.

Mas sempre vale ressaltar que Depressão não é só feita de músicas e poesias tristes, ela tem o lado mais negro, que é essa Escuridão que eu falo na poesia, que te devora, te desfigura, te mutila, te faz sangrar e gritar e ninguém te escuta. Depressão não é um movimento literário, é uma doença e nós temos de tratá-la como tal sempre!

Vejo vocês no próximo
Déborah Felipe