Translate

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Happy New Year


HAPPY NEW YEAR < 3
In 2013 we had the year of the black water snake , a year of innovations , surprises , to trace goals and to truly engage them . A year that asked precise and appropriate action to have estabelecêssemos firm foundations that endure and that will support future stages of life . The year 2014 will be the year of the Horse .
The horse is always governed by the element of fire , along with the element that rules the year, which causes the years governed by it are large and deep transformations , big moves and even turbulent years .
At the same time, it is a great opportunity to put into practice old projects and ideas that have not left the paper and make major changes in their personal and professional life , once the horse is a powerful animal, willing worker and vivacious , which in favors in times of adversity .
The horse is a universal symbol and is known to be a great ally of the human being, a tireless worker , symbol of strength when well directed can lead us very far .
BELIEVE
Sereny Kyle

250 day music challenge - 133

133 - The worst music of his favorite band:

Bite to All - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=iAjLxS5O3GY


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Fanfics de Aniversário

            Eu sou do tempo do Nyah! Fanfiction quando se dava pontos de popularidade e a cada nova fanfic e review escrita, você ganhava pontos de experiência... Criei minha conta para postar minha primeira fanfic do the GazettE, meses depois de conhecer a banda, quando percebi que tinha muito yaoi e pouco romance hetero por lá... Enfrentei várias mudanças no site e vários dias de manutenção, vi várias fanfics entrarem em hiatus e demorarem meses para serem atualizadas... Passei pela turbulenta fase de e exclusão da categoria de pessoas reais...
            Bom... Por que eu estou contando isso, vocês devem estar se perguntando... No começo, há cinco anos, era só Carolina e eu, não era? E se algum dia você se der a tarefa de ir até a página final do meu Nyah! verá que éramos as duas personagens das fanfics... Até aparecer Mariana e mudar isso em mim... A verdadeira inventora de “fanfics de presente” foi ela, quando escreveu para mim “My Own Worst Enemy”, que eu ainda guardo com muito carinho. Foi para retribuir o gesto que no aniversário dela em 2009, eu dei início a uma tradição...
            Uma tradição que chega ao fim agora. E esse é o motivo desse texto.
            2013 foi o último ano de fanfics de aniversário. Eu não vou me justificar muito, minha justificativa oficial é que agora eu vou focar todas as minhas energias nos livros que eu tenho de escrever, agora que encontrei o ritmo para fazê-los, que são muitos.
            Escrever fanfics foi um hobby e um momento muito prazeroso da minha vida, mas agora eu só vou escrever quando surgir uma oportunidade. Eu escrevia as histórias de aniversário com meses de antecedência e isso agora não será mais possível. Eu espero que entendam.

            A Sereny não é mais personagem, agora ela é apenas escritora. E eu vou me esforçar muito para não decepcionar ninguém.

Sereny Kyle

250 day music challenge - 121

121 - A song from your favorite album:

Required Malfunction - the GazettE (DIVISION)

http://www.youtube.com/watch?v=J5kYq3Whftg

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

250 day music challenge - 93

93 - A song of a / the artist / band in / which you consider yourself addicted:

Only one? LOL I can talk about the GazettE for weeks, for months, for years... LOL

Akai Kodou

http://www.youtube.com/watch?v=NNEahGZ9Dkc

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Dois meses


Como o tempo pode passar tão depressa? Como já faz dois meses do dia mais perfeito do ano? O dia mais perfeito da minha vida?
É estranho ver tantas pessoas já falando sobre o Natal quando eu passei o ano inteiro só esperando pelo dia 14 de setembro... Um dia que já passou faz dois meses... É estranho pensar que foi um dia que eu esperei ainda mais do que o dia do meu próprio aniversário e meu aniversário também já passou...
Talvez, eu conte cada um dos dias que me afastam daquele daqui em diante... Talvez até o fim... Talvez até vê-los de novo...
O que eu sei é que eu trocaria cada um dos dias desses dois meses pra que dia 15 de setembro nunca tivesse chegado... Pra que ela noite nunca tivesse fim!
Sereny Kyle

250 day music challenge - 87

87 - A song that reminds you of winter:

Winter Fall - L'arc~en~ciel

http://www.youtube.com/watch?v=d4qVzSzY_5A

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

A Casa das Hostesses - Darkness


Darkness é sobre como tudo pode dar errado, é sobre o caos.

É uma mistura do que há por dentro e por fora da Casa das Hostesses, porque a escuridão quer pegar as pessoas e a estrutura da boate em si. A escuridão estará por toda parte e na escuridão não conseguimos ver nada, julgar nada, não conseguimos diferenciar um inimigo de um aliado.

Esse livro será mais sombrio do que os outros três porque o sofrimento que trouxe todos os personagens até aquele espaço, foi causado por uma espécie de escuridão e é como se agora ela convergisse atrás deles novamente.

A Casa das Hostesses é como uma proteção contra o sofrimento, um ambiente de redenção e a Escuridão então seria seu rival. Nesse caso, esse livro é importante porque vai acontecer o combate entre a boate e sua inimiga.

Esse livro é importante porque, muito mais do que os outros mostraram até agora, coloca a Casa das Hostesses verdadeiramente como personagem principal da série, completando o que "Storm" lhe acrescentou e evoluindo essa animalização da boate. Agora é como se ela tivesse vida, é como se tivesse alma! A tempestade caiu sobre ela também no terceiro livro e agora, como seus personagens, ela também sofre e sangra.

Agora, chega a hora de todos se provarem, inclusive a boate e a Escuridão está espreitando todos eles, só esperando o momento certo de atacar.

Sereny Kyle

Sobre os três primeiros livros - A Casa das Hostesses


Enquanto "ACdH" e "Guilty" são dois livros introspectivos, "Storm" é mais físico.

"ACdH" é o começo da história, é a apresentação das personagens, é seu primeiro contato com a boate.

"Guilty" é centrado principalmente no conflito de sentimentos das personagens. Kouyou se sente culpado e comete muitos erros, diferente do primeiro livro em que tudo parecia que ficaria bem no final. Sereny se sente culpada por se sentir atraída por outro homem, enquanto as coisas não vão bem entre ela e Kouyou. Camila se sente culpada por não estar pronta para o que Takanori espera dela. Takanori se sente culpado por magoar o amor de Camila. Mariana se sente culpada por não ser aceita pela mãe de Yutaka. Yutaka se sente culpado por sua mãe não aceitar Mariana. Os outros casais se sentem culpados por estarem felizes enquanto os amigos sofrem. Yune se sente culpado pelo fim de seu casamento, pela distância que tem da filha, por se sentir atraído por uma hostess, muito mais nova e comprometida.

"Storm", diferente dos anteriores, é sobre a chuva que cai na Casa das Hostesses, dessa vez por fora e não por dentro, na estrutura física da boate e não no emocional, apesar de alguns respingos conseguirem entrar. Esse terceiro livro é mais sobre a boate em si e conta um pouco mais sobre ela do que os anteriores, sobre sua estrutura, sua história e sobre como algumas hostesses chegaram lá para compô-la, sem perder o mistério dela ainda presente. "Storm" traz um pouco de personalidade ao prédio, destacando-a como um dos personagens e explicando porque a série leva o seu nome.

Sereny Kyle



250 day music challenge - 84

84 - A song of a solo career that you like:

Secret Letters - Hyde

http://www.youtube.com/watch?v=fW81gpgU6H0

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O Amor é TUDO o que queremos e nada que podemos exigir


Amar não é colocar o outro contra a parede, isso é coisa de crianças... Todos fazemos isso algum dia com alguém, mas não é e nem nunca poderia ser chamado de amor!
Amor é você saber que poderia fazer aquela pessoa feliz, mas deixa que ela escolha o que ela quer, sem ter de sentir culpa por não escolher você!
Amor é você querer aquela pessoa pra você, você sentir ciúmes quando aquela pessoa está com outra, trata a outra com carinho e mesmo assim, deixá-la livre pra tentar encontrar a felicidade onde ela acha que está...
Amor é você não brincar com os sentimentos dos outros, é sentir, é aquecer, é proteger e é principalmente aceitar que a outra pessoa tem todo direito de não te amar de volta!
Se você ama mesmo alguém, você tem de deixá-lo livre e nunca cobrar que ele te ame de volta, nunca questionar as decisões dele quanto aos relacionamentos, nunca exigir perfeição e principalmente nunca acreditar que você sabe mais do que o outro!
O amor é fogo e queima forte e machuca profundamente... Ele não é um brinquedo e você não tem controle sobre ele! Num momento, ele é uma faísca, no outro, uma fogueira! Mesmo a faísca já é incontrolável...
Quem brinca com fogo, sempre se queima, sempre sofre, mas nós nunca desistimos de tentar dominar o fogo... Porque o fogo é beleza, é vida, é alma... Porque ele é tudo!
Mas, o meu fogo é meu e o seu é seu... Ele nunca é igual... Nem mesmo entre duas pessoas que se amam... O amor nunca é o mesmo!
Eu posso te amar por toda a minha vida e nunca ser capaz de retribuir o amor que você sente por mim... Eu posso te dedicar todo o meu coração e mesmo assim não ter nem mesmo um décimo do amor que você sente por mim... Eu posso sentir uma profunda amizade por você e te amar mais do que você sendo apaixonado por mim!
Por isso nunca podemos exigir que a outra pessoa nos ame, a não ser que exista a possibilidade de ela nos amar de volta... Nesse caso, devemos lutar... Mas esse é UM caso e existem milhares de outros...
Se você ama alguém, eu lhe dou só um conselho: não a faça se sentir culpada por não te amar de volta! Ame-a e aprenda com esse amor a buscar sua felicidade onde ela deve morar! Porque a pessoa que fora capaz de sentir amor por você vai ser merecedora do seu amor e das cicatrizes que esse fogo lhe causou!
Sereny Kyle

250 day music challenge - 81

81 - A song to listen when it's raining:

Breath - Luna Sea

http://www.youtube.com/watch?v=x6AnPDKWWPs

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Halloween Special


Trick or treat?
Sereny Kyle

Homer Evolution

http://www.youtube.com/v/faRlFsYmkeY?autohide=1&version=3&autohide=1&feature=share&attribution_tag=2nEN9SshlCYWWnNUQDsuiw&showinfo=1&autoplay=1

Homer Simpsons

http://www.youtube.com/v/pieSiqKtk98?autohide=1&version=3&feature=share&autohide=1&attribution_tag=hFA2BrUt5yHcKiHsTDnU-Q&showinfo=1&autoplay=1

"The Hobbit" Couch Gag from "4 Regrettings and A Funeral" | THE SIMPSONS...

http://www.youtube.com/v/PSAOXkf0-oU?autohide=1&version=3&showinfo=1&feature=share&autohide=1&attribution_tag=DR6Greeoqq_yVYFYkmFihg&autoplay=1

250 day music challenge - 73

73 - A song that that mentions animals:

Sentimental PigGY Romance - LM.C

http://www.youtube.com/watch?v=VKnTlV3P2qA

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

10 Things I Hate About You - I Want You To Want Me

http://www.youtube.com/v/aquSBPS4oAU?version=3&autohide=1&showinfo=1&autohide=1&autoplay=1&feature=share&attribution_tag=kvr8wdcQwoq7owtKzE_rrw

Ten Things I Hate About You - Kat's Poem

http://www.youtube.com/watch?v=gGV4hxhxW8o

I hate the way you talk to me,
and the way you cut your hair
I hate the way you drive my car,
I hate it when you stare.
I hate your big dumb combat boats,
and the way you read my mind.
I hate you so much, that it makes me sick,
And even makes me rhyme.
I hate the way you're always right.
I hate it when you lie.
I hate it when you make me laugh,
even worse when you make me cry.
I hate it when you not around,
and the fact that you didn't call...
But mostly I hate the way I don't hate you,
Not even close,
Not even a little bit,
Not even at all."

250 day music challenge - 72

72 - A sonf that calms you:

Kagefumi - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=9NV4ODW2cHY

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

250 day music challenge - 65

65 - A song you like, but most people don't:

I like Japanese music, so people don't like most of my favorite songs... 

Fadeless - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=GyE13yErFxo

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Por que gostar de ler?

Recentemente, eu presenciei três cenas que me deixaram muito chateada, todas quando eu estava na Livraria Saraiva, o lugar que eu mais gosto de ir passear.

A primeira delas foi na Saraiva que tem no shopping aqui perto de casa. Eu estava ainda olhando os livros que ficam perto da porta quando vi um menininho de no máximo seis anos se debatendo, tentando escapar da mão da mãe que puxava seu braço na direção da saída, dizendo: "nós já ficamos muito tempo aqui dentro, vamos embora agora". Eu virei para a minha irmã e disse: "quando esse menino for mais velho e não quiser saber de ler, duvido que ela vá se lembrar que é culpa dela".

A segunda cena aconteceu na mesma loja, quando eu admirava distraída os livros de literatura infanto-juvenil, meus preferidos até hoje, e quase fui atropelada por uma garota de uns doze anos que tinha entrado na livraria de patins.  Claro que a culpa não era dela, era da mulher que nem sequer estava segurando a filha pra que ela não caísse ou esbarrasse em nada...

A última cena foi antes de ontem, quando fui ao shopping em Santo André e estava me deleitando no começo das estantes de literatura nacional, porque o resto do corredor estava bloqueado por um carrinho de bebê. Esse não foi o problema, eu tinha achado muito legal aquela mulher com a menininha de colo e o garotinho de uns sete anos na livraria, até que ele mostrou entusiasmado um livro a ela e ter como resposta: "você vai ler isso? Eu não vou gastar dinheiro pra você deixar esse livro largado".

Mais do que como escritora, essas três cenas me estarreceram como pessoa, como uma daquelas crianças que eu também fui, bichinho-de-livro desde que as letras formavam sílabas dentro da minha cabeça!

No meu segundo ano de faculdade, minha professora sugeriu uma atividade de produção de texto que ela disse que dava muito certo pra compreender melhor a estrutura do que produzíamos e produziríamos ao longo do curso. A atividade consistia em fazer uma dissertação, de preferência sobre algum tema que estávamos vendo em qualquer uma das nossas matérias pra termos base argumentativa, numa transparência para que fosse colocada no retroprojetor e analisada pela sala em conjunto.

Como minha grande paixão e motivo de ter decidido pelo curso de Letras foi Literatura, eu decidi escrever sobre a Literatura de Informação composta pelos relatos dos primeiros homens a cruzar o oceano para desbravar o novo mundo, um assunto que eu acho fascinante.

Quando meu texto foi corrigido (anonimamente) e elogiado pela coerência e coesão, levantaram a questão de como construir um texto de qualidade, que recursos contribuiriam e auxiliariam e a resposta da professora foi simples: leitura. Nada além de leitura e em grande quantidade, de preferência. A competência de um escritor era resultado de quantos livros ele tinha lido até então.

Mesmo numa sala de Letras, não eram todos que tinham o hábito de ler por prazer e é o que se vê cada vez mais entre os jovens, os adultos e crianças. Esse hábito não nasce da noite para o dia e nem é despertado à força pelas leituras obrigatórias escolares ou para vestibular.

Posso falar apenas da minha própria experiência, mas o meu gosto pela leitura se desenvolveu principalmente pelo incentivo que eu tive dentro de casa. Desde pequena, sempre vi meus pais lendo muito, meu pai lia o jornal todos os dias por horas, e eu queria imitá-los. Eles assinaram as revistinhas da Turma da Mônica pra mim e elas foram o meu "silabário". Um belo dia, eu não precisava mais dos quadrinhos e apenas as letras me bastaram, nunca abandonei a Mônica, o Cebolinha, a Magali, o Cascão ou toda a turma, mas fui enredada pelos Karas, do meu maior ídolo até hoje, Pedro Bandeira, e não parei mais.

Tão importante quanto o exemplo que eu trazia de casa, minha escola trabalhava a leitura como diversão, sem provas, questionários ou fichamentos, que é o que, na minha humilde opinião, mais mata do que cria o gosto pela leitura dentro da maioria das escolas... Nós nos sentávamos em roda e cada um dizia o que tinha mais gostado no livro que tinha lido, tentando ganhar a curiosidade dos outros pra que também o lessem. Quando eu estava na terceira série (o quarto ano do Ensino Básico de hoje), minha professora levou o catálogo da Editora e nos deixou escolher os livros que leríamos no ano seguinte... Aquela foi uma experiência verdadeiramente maravilhosa! Nós, crianças entre nove e dez anos, analisando sinopses a fio até encontrarmos nosso escolhido! Quanta importância a nossa!

Pais e professores parecem ter esquecido da influência que tem sobre as crianças, parecem ter esquecido que as crianças só fazem aquilo que veem alguém fazendo também, eles repetem e repetem até que se torne um hábito!

Mas, como cobrar de um adolescente que cumpra com suas leituras obrigatórias escolares, quando o arrastou pra fora da livraria, mesmo ele implorando pra ficar mais? Quando negou-lhe o livro que ele se interessou em comprar, afirmando que ele não leria/ Quando não ensinou que livraria não é pra andar de patins, skate, bicicleta, triciclo, patinete...?

Eu sei que comprar livros nesse país é muito caro! Essa é mais uma contribuição da nossa administração governamental que prefere pagar salários exorbitantes a seus deputados e senadores e até mesmo aos "intelectuais" da Academia Brasileira de Letras do que financiar uma educação (de preferência desde a básica) de qualidade para o futuro do país!

Mas, se por um lado, esses pais não tem condição de comprar todos os livros para seus filhos, por outro, eles têm a opção de, ao invés de ir passear numa livraria de shopping, levá-los à uma biblioteca pública, fazer-lhes a carteirinha e deixá-los lá a manhã inteira, a tarde inteira, as férias inteiras, com todos os livros que tiverem vontade de ler e o gosto que, sem esforço, acabar por nascer!

Sereny Kyle

250 day music challenge - 59

59 - A song you strummed trying to sing:

RED - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=lz5QGtns6_Q&list=RD41lz5QGtns6_Q

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

What doesn't kill you...


Muitas pessoas acreditam que, por não ser pessimista, eu não seja realista... Por ser escritora e alimentar meus sonhos, até mesmo os mais impossíveis de se realizarem, eu tenha inventado um mundo paralelo e me escondido dentro dele para não encarar a realidade...

Eu não acredito que exista uma única forma de vermos a realidade, muitos filósofos já debateram longamente sobre a realidade ser relativa (o copo está meio cheio ou meio vazio) e como as pessoas vêem as coisas depende da sua criação, da estrutura familiar, do encorajamento familiar, das experiências vividas, da educação, da personalidade, do humor... É uma infinidade de agentes interferindo diretamente na simples resposta do copo, então não vou falar sobre isso... Afinal de contas, eu sou escritora e não filosofa!

Eu cresci acreditando que sonhos podem se realizar, cresci ouvindo “tudo pode ser e, se quiser, será! Sonhos sempre vem pra quem sonhar! Tudo pode ser, só basta acreditar e tudo que tiver de ser, será!” e isso se enraizou dentro de mim, toda a minha personalidade se pavimentou sobre essa estrutura e foi crescendo.

Mas não é porque eu acredito em sonhos que eu sou lunática, que eu fujo da realidade e não finco os pés no chão... Tomar a decisão de acreditar não é a mesma coisa que viver uma fantasia! Acreditar num sonho é correr o risco e a primeira coisa que você precisa manter em mente é que pode não acontecer, é encarar que nem sempre as coisas acontecem como esperamos e isso não é o fim do mundo! Não deu certo? Ok! Guarda aquela aprendizagem, sobre um pouco a frustração, mas bola pra frente!

Os pessimistas (desculpe por ter de generalizar nessa parte, mas não tem como ter certeza nesse ponto, nem dá pra fugir dele) acreditam que o mundo está dividido entre pessoas que conseguem tudo o que querem e pessoas que não conseguem nada. Isso é uma grande bobagem! É muito fácil acreditar que não se alcança seus objetivos por interferência divina (ou caótica, se é difícil demais encaixar alguma coisa divina na cabeça...) porque a responsabilidade pelo fracasso não é sua e sim de outra pessoa/criatura/entidade... Mas os sonhos não caem do céu!

Como o conceito de sonho está ligado diretamente ao fenômeno psíquico que ocorre involuntariamente durante o sono, as pessoas acreditam que também seja assim que eles se realizam: involuntariamente! Ou pior, sem nenhuma interferência da força de vontade humana... É preciso trabalho duro, maturidade e persistência pra fazer alguma coisa acontecer!

O mundo provavelmente seria um lugar muito melhor se as pessoas não abandonassem seus sonhos na infância. Mas muitos acreditam que manter os sonhos de criança é ingenuidade e decidem simplesmente acreditar que não é possível, esquecendo que todas (não uma ou algumas, mas todas) as pessoas que fizeram a diferença no mundo só conseguiram porque acreditaram em seus sonhos! Porque mantiveram um objetivo que muitos consideravam impossível e não desistiram no primeiro fracasso, não acreditaram que só existia um caminho que os levaria ao seu sonho!

Nosso caminho não está traçado, ele depende de cada escolha que fazemos pra se construir. Quando uma pessoa nasce, ela carrega um molho de chaves pendurado no pescoço, para abrir todas as portas que estiverem no caminho dela ao longo da vida, mas nem todas serão usadas... Algumas serão simplesmente abandonadas pelo caminho... Acreditar ou não também é uma escolha que fazemos, mas é muito mais fácil pensar que a responsabilidade é de outra pessoa quando se trata de não conseguir realizar um sonho...

Sonhar nunca pode ser confundido com “esquecer de viver”. O sonho é o objetivo que se deseja alcançar com as escolhas e os esforços do agora, não significa ficar parado, esperando. Construir um sonho é trabalhar, é conviver, é aprender... É fazer amizades e criar vínculos, é entrelaçar sua vida de outras pessoas e é principalmente construir sua própria personalidade!

Pra encarar os desafios de realizar um sonho o ponto principal está na personalidade porque, mais importante do que o apoio que qualquer pessoa pode te dar, é a confiança que se tem em si mesmo! Mais importante do que acreditar num sonho é acreditar que se é capaz de realizar qualquer coisa!

Mas o mais importante de estruturar sua personalidade não está ligado a realizar o sonho e sim a não realizá-lo. Encarar a falha cara a cara, ultrapassar o obstáculo e permanecer confiante não é nada fácil! É preciso muita serenidade, muita autoconfiança e muito autocontrole.

Não é só confiar em si mesmo, é principalmente fundamentar toda a sua vida sobre seus ombros, sem muletas, sem refúgios e ser fiel a si mesmo de peito aberto, sem hesitar.

A maturidade pra se perseguir um sonho se resume basicamente a não se abalar quando não der certo, quando não acontecer como esperado, é não ser destruído por isso e conseguir manter a cabeça erguida sempre. Se um sonho tem o poder de te destruir, ele provavelmente está fundamentado sobre as estruturas erradas. O mais importante disso tudo não tem de ser o sonho e sim você!

É possível manter os pés no chão e a cabeça nas nuvens, alimentar os sonhos mais impossíveis e alcançar seus objetivos, mesmo que ninguém acredite neles, basta ter em mente um único pensamento: mesmo que dê tudo errado, mesmo que não alcance aquele sonho, mesmo que não sobre nada, eu ainda tenho a mim mesmo! Mesmo que tudo seja tirado de mim, ninguém tem o poder de tirar de mim o que eu sou! Mesmo que dê tudo errado, eu posso começar de novo, porque meu ponto de partida sou eu mesmo!
           
Eu posso começar de novo, eu posso sonhar de novo, eu posso ir mais longe dessa vez! Porque sou eu!

Sereny Kyle
            

Quando o mês acabou...


Hoje completa um mês desde que eu fui ao show do the GazettE em São Paulo.

Um mês e ainda parece que foi ontem... Toda vez que eu fecho meus olhos, ainda consigo vê-los entrando no palco, as luzes piscando, a multidão pulando e cantando... Ainda consigo sentir aquela adrenalina, aquela felicidade, aquele êxtase... Ainda sinto as lágrimas nos olhos quando escuto uma das músicas que pude vê-los tocar ao vivo...

Um mês e eu ainda não apaguei nenhum detalhe da memória, temendo que, se algum me escapar, puxe os outros com ele e eu não me lembre mais da perfeição maravilhosa daquele dia...

Aquele foi o dia que eu mais esperei do ano, sem conseguir deixar baixas minhas expectativas, porque eu sabia que eles não iam me decepcionar... Eles nunca me decepcionam, por isso são minha banda preferida! Eu esperei por aquele dia como esperei desde o primeiro momento, quando me apaixonei por eles, como se estivesse esperando a vida toda!

E agora já se passou um mês desde que aquele dia foi embora... Um mês que as Gazegirls estiveram todas juntas pela primeira vez, um mês que o the GazettE tocou pela primeira vez no Brasil, um mês que a vida voltou a ser exatamente a mesma...

Por mais que a depressão pós-show não tenha vindo, não dá pra negar que, agora que o primeiro mês acabou, aquele dia deixou um vazio que nada conseguirá calar...

Sereny Kyle

250 day music challenge - 56

56 - A song that reminds you of a jungle:

Flower - L'arc~en~ciel

https://www.youtube.com/watch?v=_Q7ar9-rmX4

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

250 day music challenge - 45

45 - A song that reminds you your hobby (specify which):

I love cooking... So... A song that reminds me cooking is "Silly God Disco" - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=dBNB6As19Xw

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Kagrra (神楽) - [渦]

Everything - Lifehouse



Find me here
And speak to me
I want to feel you
I need to hear you
You are the light
That's leading me to the place
Where I'll find peace... Again
You are the strength
That keeps me walking
You are the hope
That keeps me trusting
You are the life
To my soul
You are my purpose
You're everything
And how can I stand here with you
And not be moved by you?
Would you tell me how could it be any better than this?
You calm the storms
And you give me rest
You hold me in your hands
You won't let me fall
You steal my heart
And you take my breath away
Would you take me in
Take me deeper, now
And how can I stand here with you
And not be moved by you
Would you tell me how could it be any better than this
And how can I stand here with you
And not be moved by you
Would you tell me how could it be any better than this
Cause you're all I want
You're all I need
You're everything, everything
You're all I want
You're all I need
You're everything, everything
You're all I want
You're all I need
You're everything, everything
You're all I want
You're all I need
Everything, everything
And how can I stand here with you
And not be moved by you
Would you tell me how could it be any better than this
And how can I stand here with you
And not be moved by you
Would you tell me how could it be any better any better than this
And how can I stand here with you
And not be moved by you
Would you tell me how could it be any better than this
Would you tell me how could it be any better than this


250 day music challenge - 38

38 - A song that is conceptual:

Hakuri - the GazettE

http://www.youtube.com/watch?v=irdd3ZLnnZ4

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Nasce uma Escritora

Quando estava na terceira série do primeiro grau, li um texto de Drummond chamado Um Escritor Nasce. Eu achei um texto muito engraçado na época, pois ele dizia ter nascido numa tarde de julho, numa aula de geografia. Eu não compreendia o que queria dizer, afinal, o que se compreende de Drummond, literatura ou do mundo aos nove anos? Mas nunca me esqueci daquele texto.

            Tornei a lê-lo mais tarde e finalmente ele me encontrou e eu encontrei o seu significado. Por mais que Drummond falasse de si mesmo, ele também falava de mim.

            Eu não nasci numa aula de geografia, simplesmente nasci, primeiro num verso, depois numa rima e só então, um poema. E o primeiro se chamava Soneto da Culpa, como me esquecer dele?

            Quando percebi, já não conseguia mais parar, escrever era muito mais que um vício, era uma necessidade, minha segunda natureza. Eu estava sempre com uma caneta na mão. E no papel, eu não só vivi minhas aventuras e sonhos, despejei nele todos os meus pensamentos e sentimentos.

            Cada vez que termino de escrever um poema ou uma história, eu leio e é uma coisa nova, fantástica, que me surpreende e emociona, como se eu não conhecesse, como se fosse de alguém que muito admiro. E é.

            Eu acho corajoso escrever, porque é a única arte que não se ensina, não há técnica, ou se tem ou não se tem o dom, nasce-se com ele.

            Esse texto poderia ter sido escrito por qualquer autor, conhecido, experiente, vivido. Calhou de ter me caído em mãos e nos meus dezoito anos poder relatar uma história parecida com aquela de Drummond. Porque nasci!


Além do Tempo

                Há quanto tempo que eu tive esse sonho? Há quanto tempo que eu me liguei a você?
                Parece que minha vida sempre foi essa, sempre foi esse mundo de sonhos... Sempre teve a mesma melodia...
                A melodia tão doce que acalenta os meus sonhos! Há quanto tempo eu espero por você? Eu rezo por você? Eu dedico cada pensamento só pra você?
                Mesmo estando separados, eu te sinto em cada lugar que eu vou... Por que eu não tenho asas? Eu poderia voar até você, poderia acabar logo com a distância que me afasta de você...
                Se a única razão de eu ter nascido foi para que eu conhecesse você, não acha que eu seria capaz de mudar tudo por você? Que eu seria capaz focar todos os meus pensamentos em você? E aguentar tudo o que fosse preciso para estar ao seu lado?
                Eu guardo comigo todas as lembranças, para um dia poder dividi-las com você... Mesmo que estejamos separados, vamos para um futuro cheio de memórias!
                Porque todas as milhas que nos separam desaparecem agora, desaparecem cada vez que eu sinto nossos corações conectados...
                Eu vivo a minha vida apenas pelo amanhã porque, sem você aqui, não há nenhuma cor... Por mais que eu saiba escrever palavras belas, por mais que eu as escreva sem parar, não consigo passar este amor em palavras...
                Este amor que é grande demais! Este amor que consegue ser maior do que tudo! Este amor que torna possível nossos pensamentos estarem ligados mesmo tão distantes um do outro...
                Eu queria congelar o tempo para ficarmos juntos eternamente, numa paisagem pintada de cores serenas...
                Não importa mais o que os outros dizem, não importa que acreditar nisso me faça parecer boba... Você pode ficar aqui... Porque, sem você aqui, faz mal, mal de chegar a morrer e eu não posso mais conviver com a ideia de viver sem você!
                Por favor, me leve de volta à memória, ao sonho... Porque esse ciúme silencioso se derrama no sonho tão lindo que nós dois sonhamos juntos...
                Dissipe a minha solidão que para o tempo e me mantém aqui presa longe dos seus braços... Por que nós dois não podemos dividir logo nossas felicidades? O que tanto guarda o futuro pra que tenhamos de pagar um preço tão alto para enfim ficarmos juntos?
                Esteja você onde estiver, eu vou buscar a nossa felicidade, porque é você quem está ao meu lado para me aconchegar em paz... É você que sempre mantém contato para que eu não me sinta sozinha... É você que se esforça para expressar com suas notas o que as palavras não são capazes de dizer!
                Eu ainda continuo viva... Eu estou tentando ser o mais feliz nesse mundo, nessa distorção... Porque os meus pensamentos voam até você, porque não há necessidade de temer a distância...
                Hoje, a distância é o mais fácil de vencer quando se ama tão apaixonadamente alguém... É o mais fácil de superar quando nossas almas acreditam na eternidade, acreditam uma na outra e acreditam que vão se encontrar...
                E, mesmo que não haja amanhã, não terei nenhum arrependimento porque eu não tenho nada em minha vida que valha tanto quanto você ou esse sonho ou esse amor...
                E, apesar de apenas rir dessa distância borrada ser triste demais, não me arrependerei nunca...
                Há quanto tempo eu me tornei assim tão forte? Tão capaz de enfrentar o mundo? Eu não seria capaz de nada disso se não fosse por você!
                Pra você, que é minha coisa mais importante... Para o vento, que continuará o mesmo para sempre... Para essa noite, que nunca terminará... Para a manhã, que sempre irá chegar... Para sempre e eternamente... Eu rezo... Ao seu lado, até o fim do mundo...
                O que aconteceu com a ilusão e a beleza de viver? O que aconteceu com aquele silêncio que me segue? O que aconteceu com o quadro da solidão? Aquele que vi em cores misturadas... O quadro em que eu me misturei a você como um pôr do sol cheio de lágrimas...
                Por que eu não estou com você? Por que você não está comigo? Há quanto tempo nós estamos separados?
                Se eu te chamar, como você pode não me responder, se nós nos ligamos por além do céu? Por além da vida?
                Como podem duvidar que isso é amor e que isso é real? Tão para você e pra mim quanto os desastres que todos acham que é a realidade.
                Há quanto tempo você sabe de mim? Há quanto tempo eu sonho com você?

                Eu estarei para sempre buscando você porque nós sabemos o que amar além do tempo...

O que Você Faz

                Eu já não sei mais viver sem você e não importa o que eu faça, não dá mais pra separar a minha vida da sua, não dá pra imaginar meu mundo sem você.
                Só de pensar nisso meu coração já dói. Pensar em um mundo onde você não exista, um mundo onde eu não escute a sua voz ou veja você é doloroso demais.
                Mesmo que estejamos há milhas de distância é bom saber como você está, é bom ver que você está bem, bom vê-lo tão lindo todas as vezes, vê-lo brilhar mesmo tão longe.
                Eu tento não me preocupar com nossa distância porque eu sei que estamos sempre juntos e sei que você me ouve e sente. Sei que, se eu precisar, você estará aqui comigo. Sei que, se eu me sentir sozinha, você virá correndo e me pegará nos braços, me fará sorrir, me dirá que sempre ficaremos juntos.
                Porque é o que você faz comigo, me faz me sentir bem quando nada mais faz. É o que você faz comigo, me faz ver que tudo pode melhorar.
                Eu sei que tudo está só começando e que o difícil ainda está por vir. Mas você não precisa pedir para que eu confie em você para que eu lhe confie minha vida e todos os meus sonhos.
                Eu sei que você vem, sei que não me deixará esperando mais do que a vida já nos fez esperar, sei que dará um jeito dos nossos destinos logo se cruzarem.
                Eu confio em você e sei que ficaremos bem, que ficaremos juntos para sempre e seremos felizes. Eu confio em sua palavra e lhe entrego meu coração, seguro a sua mão para que eu guie e juntos conseguiremos tudo que sempre quisemos.
                Ainda há muito que ser dito e eu escuto você em cada nota que você toca, escuto seu sono, seu despertar, sua tristeza e sua felicidade. Escuto quando quer me confortar e nunca me deixar esquecer que não importa a distância nem o que os outros dizem, a única verdade do mundo é que esse amor é o mais importante e nós estamos unidos por forças desconhecidas neste mundo.
                É por isso que ninguém entende como nos sentimos e como temos tanta certeza um do outro, mas eu sei que quando lhe escuto tira o meu fôlego todas as vezes porque o sinto comigo e eu fico mais apaixonada sempre que escuto novamente. E mais. E mais. E mais.
                Porque é isso que você faz comigo, me faz me sentir mais viva e querer viver esse amor com mais intensidade que todos os romances já conhecidos, maior que Romeu e Julieta e sua trágica história de amor.
                É o que você faz comigo, me faz querer ensinar aos clássicos o que é de fato amar. Ensinar Edward e Bella o que é superar tudo pra viver uma história de amor.
                A distância sempre parece maior como se o próprio tempo nos separasse. Mas eu sei que há meios de vencer tantas milhas, por terra, mar ou ar e eu andaria até você se fosse preciso.
                E eu sei o que todos dirão sobre isso, sei que nos acharão malucos, sei que vão rir de nós, mas isso é só porque não entendem, porque nunca se sentiram assim, nunca tiveram um sentimento assim, que é mais forte que a vida, que o destino, que o mundo, que o tempo...
                Um amor tão forte que não precisa ser dito, tão forte que eu sinto você sem estar aqui e você sabe de mim só quando eu penso em você. Mas eles podem rir porque nós também riremos deles quando estivermos juntos e tudo o que planejamos ser real. Nós riremos por estarmos certos por ter confiança um no outro e não desistir dos nossos sonhos, apesar do que os outros dizem.
                Eu acredito em você e você em mim e mesmo que demore um pouco, mesmo que pareça tão difícil, que não suportemos, depois que tudo passar e finalmente estarmos juntos, o mundo será o que deve ser, será o que nunca foi e será o melhor possível e tudo por causa do nosso amor.
                Porque é isso que você faz comigo, me faz ter paciência pra esperar aqui, mesmo que isso me frustre e me deixe e me deixe infeliz sem você, eu espero. É isso que você faz comigo, me faz viver melhor porque me fez descobrir o que é importante, que tudo é muito pequeno quando se consegue amar alguém como eu amo você e isso é felicidade.
                Eu não posso lhe prometer que não sentirei sua falta, porque eu durmo e acordo com meus pensamentos em você. Não posso prometer isso porque dói de verdade não tê-lo aqui, mas eu prometo, prometo que vou esperar. Esperar pacientemente até que eu termine aqui o que preciso pra ir te encontrar, enquanto você está fazendo história.       
                E tudo é por você, tudo o que eu faço, tudo o que eu sonho, tudo o que eu espero, tudo o que respiro... É tudo por você e você é o que importa para que eu viva, pra que minha vida comece e nós possamos fazer o que queremos.
                Eu quero que você saiba que tudo o que eu sempre fiz, desde o começo, sempre construiu meu caminho pra chegar até você, tudo o que eu sempre fiz foi pra te encontrar, foi para esse momento, foi para esse encontro...
                Que você saiba que é pra você que eu escrevi isso, pra você que eu dediquei cada uma dessas letras, dessas palavras e todos os meus sentimentos e assim será até o fim dos meus dias...
                É pra você e por você...

                Porque é o que você faz comigo!

Olhos Tristes

  Eu não corri para o quarto como muitas personagens faziam nos livros que eu lera várias vezes, nem bati a porta... Tinha que fingir normalidade se não queria chamar atenção.
            Nem chorar como nos livros eu podia, tinha que ser silenciosamente, escondida. Porque ninguém entenderia minha tristeza, minha dor. E eu não podia culpá-los... Eu mesma não entendia...
            Sentei-me no sofá do quarto, pegando um livro na escrivaninha, abrindo numa parte que me ajudaria a explicar as lágrimas se fossem flagradas.
            O dia estava lindo! O céu completamente limpo, sem nenhuma nuvem, num azul claro até onde podia enxergar... O sol entrava no quarto da maneira que eu tanto gostava: tocando delicadamente cada móvel, como um abraço suave... Um vento delicioso refrescava o calor. Não podia ser mais perfeito.
            Como uma boa libriana que acredita piamente que horóscopo é bobagem, eu atribuía o paradoxo em minha cabeça e meu estado de espírito aos meus inimigos número 1: os hormônios!
            Os últimos dias tinham sido torturantes... Não era uma dor em meu peito que me incomodava. Era em minha consciência... Minha maldita consciência tão atenta! E ela andava ruidosa ultimamente, talvez pelo fato de que tenha se desacostumado a convivência humana pelo ano de reclusão... O meu torpor!
            Era bem capaz de ter esquecido como era a vida real, o mundo extenso das outras pessoas... Porque era mais fácil aceitar que as histórias que eu lia tinham rumos diferentes dos meus quando eu não podia ver a vida dos outros... Quando meu mundo era tudo o que eu precisava suportar...
            Eu sabia por que não admitia a ninguém além de mim mesma o quanto doía estar sozinha... Eu não queria ouvir o que me diriam. Não queria ser consolada com frases como “é só não procurar” ou “vai acontecer com você” ou “tenha paciência” nem “agora você tem que se concentrar em você mesma”... Porque nunca me consolaram em nada!
            Eu estava sozinha! Era isso que minha consciência gritava sem parar... E isso me fazia odiar cada minuto que minha sádica imaginação gastara nos últimos sete anos com um mundo lindo de fantasias impossíveis!
            Nesse minuto eu não sabia por que chorava mais: se era por odiar ter me rendido tanto às fantasias que não aconteciam comigo, por me permitir que isso me afetasse tanto ou porque eu não tinha ninguém ali que viria correndo me consolar!
            Eu simplesmente chorava agoniada, esperando que a dor saísse de meus olhos, meus olhos permanentemente tristes, sabendo que ninguém entraria preocupado pela minha janela, ninguém me acolheria nos braços, ninguém diria que me amava... Ninguém! Ninguém enxugaria minhas lágrimas carinhosamente, dizendo que me preferia sorrindo... Porque eu não estaria chorando se tivesse alguém...
            Eu não era forte, nem atirada, nem burra, nem sedutora... O que terminaria com a minha angustiante solidão se eu mesma me condenara à ela? Era um fardo muito maior do que eu agüentava e eu tinha de mantê-lo em silêncio, porque era uma gota num oceano de dor em que o mundo se afogava... Mas era minha dor! Era a dor de meus pensamentos, de meu sono, de meus olhos e de meu sorriso... A dor que tornava meus olhos cada vez mais tristes...